Apr 08, 2020 Last Updated 8:50 PM, Apr 7, 2020

Mission “ad Gentes” or a New Evangelization in the Continent?

Letto 180 volte
Vota questo articolo
(0 Voti)

 EN   PT

In today's world, as well as in the continent of Africa, the effects of the change in the mission paradigm are also being felt and the circumstances of the mission have also changed in our continent. We are neither a society nor a church impervious to the effects of postmodernity and the Church is constantly being asked about the need to “adapt”, to respond with today's means to the challenges that come from the society in which it is located, involved and intends to evangelize.

Changes in the political order: After was achieved the independence of the countries of the continent, with a past through the painful process of civil war and even some countries continue today and open to democratic processes and the multiparty. These processes have not always been clear. Many international organizations and civil society organizations (including the Church) that join forces to make the process of democratization of countries a reality in all aspects of democratic life in the continent.

Changes in the socio-economic order: There is an accelerated urbanization process in the continent. Responding to current circumstances and the global situation, the continent is experiencing a constant and not always well-organized migration from the countryside to the urban area, where many arrive feeding the dream of new opportunities and better living conditions. For Africa, on the other hand, it is estimated that the urbanization process reaches 40% and tends to grow even more, obeying the global projection and local needs (Instrumentum Laboris of the second Assembly of the synod of bishops for Africa, 20-21, AfricaeMunus, 22-26; 42-46).

Changes in the socio-religious order: The religious composition of the continent has changed drastically. With the democratic openness and the declaration that the countries are secular and more secular, the country has seen itself “invaded” by an immense amount of religious movements from the most varied denominations among the various internal divisions through which the great religions share the soil of the continent. It is almost natural to see mosques appear from any angle in our neighborhoods and towns; the same is true of Pentecostal churches. Just look at the list of churches (and religions) that enter our countries from year to year and that receive, without any major difficulty, the operating license granted by the respective government. But in this context, we must also consider the changes that we are experiencing within the Catholic Church. The era of the first generation of foreign bishops is ending and the continent's church is gradually creating its style and taking into account the context in which it is located. We still have to consider, with joy and hope, that the Church in the continent is experiencing a commendable change from what is expected to bear fruit for the future. It is about increasing the diocesan clergy and vocations to religious life. This is very good because it allows us to dream better days and open the Church of the continent to the missionary experience (in the dynamics of internal mission, as service of sister churches and of mission ad-gentes, as sending missionaries across borders; an experience that needs to be consolidated).

Changes in the socio-cultural order: Just as there are socio-cultural changes in the general context of Africa, we also discover them in our countries; therefore, we can affirm that, as all Africa experiences a cultural shock, as Pope Emeritus Benedict XVI wrote (Africae Munus, 11). The changes in this order create certain difficulties in the relationship between the generations and with a greater emphasis on the reception of the challenges from postmodernity. With urbanization some particular nuances of local cultures are lost (or substantially modified). The new generations, enjoying the possibility of attending university studies, no longer feel they are continuing with some of the ancestral practices either because they consider them “things of the past” or because they did not even have the chance to know them. What is certain is that on the continent the university world has grown enormously and this constitutes a hope for the countries and a challenge for the Church that sees an urgent need to modify its methodology of action and even the organization of its pastoral service.

Changes within the IMC: As Consolata missionaries, if we look to the past, we discover a series of changes that should call our attention. The way of doing the mission has changed because we have moved from a mission centered on the Church and the role of the missionary (entrusted with the tasks of building the mission, necessary for the proper functioning of the mission) to a mission centered on the Kingdom of God (missio Dei) and done in a team dimension where the missionary (parish priest) is an animator, coordinator and no longer the one who gives orders to others to fulfill. It also changed the origin of the missionaries and the economy of the mission; we went from receiving less missionaries from the North (Europe) to a range of missionaries from the South America and the continent of Africa.

Among the changes within the IMC, we always have to consider the economic situation, because with the missionaries' origin, the economy of the mission also changed, because after the “Padroado” (stage when the State financed the mission and the missionaries) we entered the era of collaboration of the local Churches and thus the missionaries had the financial support of their own dioceses and parishes of origin (also of the so-called projects) at our time when we lack fixed points of financial support for the evangelizing task. The ministerial church requires missionaries to be able to listen, to dialogue, to be humble for work coordinated with local animators. In the Church that corresponds to us today to live in the continent, missionaries in dialogue are needed.

What could we as Consolata Missionaries do in the continent to implement the New Evangelization?

By the New Evangelization we understand: the commitment for a renewal in the Church's evangelizing task (method, style, ardor) in its three dimensions: 1) first announcement, 2) ordinary pastoral and 3) specific and specialized attention for those who have left the Church and practices of faith in Jesus Christ. Having made this clarification, let us consider some aspects to be taken into account in our missionary service in the continent, which will allow us to live in an attitude of New Evangelization. Aware that there are no magic formulas, we now suggest some elements of what pastoral care could be in the context of New Evangelization:

1. An outgoing Church: (in the dimension of the first announcement) In Evangelium Gaudium (20) Pope Francis underlines the dimension of sending that the Church cannot miss it. We are invited to discover in the environment in which we find ourselves serving the mission what are the new peripheries that require special attention and, in our case, missionary attention. Promote the new exodus that missionary ministry requires; therefore, it would be interesting that in our parishes and communities there were:

a) A willingness not to be content with those who already participate in the life of the parish.

b) Pay visits to families, giving special attention and priority to those families who do not attend church.

c) Discover a work, a social project, that the parish can take forward with the financial resources of the parish itself and with the help of any external financial support.

d) Promote popular missions, aimed at dialoguing with other religions and the indifferent.

2. A merciful church (in the ordinary pastoral dimension) It is always Pope Francis who invites us to overcome simple administration and to constitute ourselves in a permanent state of mission (Evangelium Gaudium, 25) that ordinary pastoral care be more communicative and open; promote pastoral conversion. In view of this call and according to the request for the New Evangelization, it would be desirable that our parishes and communities could promote:

a) Charity: special and specialized care for the poor and needy in the parish; without charity you cannot evangelize!

b) Try new forms of pastoral organization, in dialogue with the Parish Pastoral Council

c) Promote the Eucharist for the sick, in their homes. Even if one has to stop celebrating the Eucharist, a few days a week, in the main community, dare to Mass at the home of the sick and organized by each nucleus; we thought it would be a good experience to leave and to dare a new Parish organization and movement.

d) Organize spiritual retreat days.

e) Listening to those who do not receive communion, we would like our parishes to organize listening days to receive those who may actually receive communion are not doing so. Listen to the reasons why people do not receive communion and then, in a process of discernment in the local community and if necessary, with the Lord Bishops to make decisions, answering case by case, person by person. The person must feel loved!

f) Pay attention to the sound, lighting and choir (liturgy) of the parish and communities. It is unfortunate to go to Mass and not hear anything or find a church in disarray. The newness of the New Evangelization does not always involve new initiatives, but the kind way in which we take care of the things entrusted to us and the attentive way in which we receive people. It is necessary to spend money so that our churches have good lighting, a good sound system and a choir well equipped with voices, and musical instruments necessary and appropriate to the new circumstances.

3. An open-hearted mother: (in the dimension of caring for those who have left the Church) Always taking Pope Francis' words in the Evangelium Gaudium 46-47 we are invited to be a church with open doors, the open house of the Father. Savia for life. We are facilitators and not simple controllers of God’s grace, as the Pope writes; in this way it would be interesting for our parishes and communities to organize:

a) Pastoral visits to the homes of those who have left the Church, even in the informality of an invitation to lunch

b) Formation and clarification meetings for those who have stopped attending sacramental life; paying special attention to the separated and those being separated have joined again

c) Open the doors for the celebration of the sacrament of Baptism for children born to single mothers and monitor more closely the preparation of young people and adults who wish to receive Baptism or resume the Eucharist.

d) Promote a pastoral with ecological sense and awareness.

Special/Relevant attitudes of the evangelizer of the New Evangelization

Evangelizing today, in the context of the New Evangelization, requires the evangelizer to cultivate apostolic and spiritual attitudes of unparalleled value; The evangelizer must be:

1. A promoter of good: the evangelizer of New Evangelization lives and acts as a collaborator of God in the effort to transform man and woman; since this work is not easy, it compromises your own life to value and promote the good that already exists in people and communities; it does not start from zero and values the contribution of each and every person in particular.

2. Magnanimous: the evangelizer today, like yesterday, assumes that he has been chosen and called by God to do great things, so he does not lose himself in the small things of each day, nor in the fights and lamentations of those who have little to do. (or those who lack human and spiritual maturity) do not discover the immensity of God's work).

3. An inclusive and loving person: While called by God, today's evangelizer loves everyone and is dedicated to everyone, without excluding anyone. Your heart must be big, as big is the heart of Jesus, to make room for everyone within you and to dedicate yourself to serving everyone. He lives and works with an ecclesial, ecumenical and interreligious sense.

4. Tenacious, strong and persevering: today's evangelizer cannot be of medium water, no. He must know that the process of transforming man into Christ is not a matter of hours, days or months; on the contrary, it is an exercise of all life and the evangelizer, as animator and companion of the processes of conversion of humanity, must resist all the dangers and temptations that the work of God entails.

5. A dreamer and realistic at the same time: the evangelizer of New Evangelization must be a person capable of maintaining the balance between the dream and reality so as not to lose heart. As a dreamer he must be able to project, to accompany christian communities in order to dream high and to develop comprehensive pastoral plans, but as a realistic he must have the peasant's patience, that is, knowing that you must sow the seed, but that its growth does not depend on you. As a realistic, he should encourage those who try to fail in the effort and rejoice in the fruit, be it 30, 50 or 100%

6. An organized and efficient person: the evangelizer of the New Evangelization must act and interact in an interdisciplinary way (in team with others) and do it systematically. He knows what his goal is and gives everything and the best of himself to reach the goal. He is a person who knows and devotes time to planning his life and his apostolic action (programming-accompaniment-evaluating).

7. Attentive to opportunities: the evangelizer of New Evangelization turns difficulties into opportunities to evangelize. He knows that difficulties are part of the apostolic journey and that is why he does not give himself up easily and does not allow difficulties to deviate from his goals; they are a new opportunity for growth.

8. Supernatural in its aspirations and creative in its actions: the evangelizer of the New Evangelization knows that the criteria of life are not like the criteria of the world. His gaze and his heart are fixed on the things of God (Col. 3. 1-11) on those who have put all their trust and those who hope that they will overcome their limits. He also knows that the protagonist of the mission is God and his Holy Spirit and that is why he behaves as a faithful servant and as a docile instrument in the hands of the Master. This is what makes him a free and creative person, able to dare newness in initiatives, methods and pastoral actions.

 

 EN   PT

Missão “ad Gentes” ou uma Nova Evangelização no Continente? 

No  mundo de hoje, como também no continente de África, os efeitos da mudança do paradigma da missão também se fazem sentir e as circunstâncias da missão também mudaram no nosso continente. Não somos nem uma sociedade nem uma igreja impermeáveis aos efeitos da pós-modernidade e a Igreja está a ser interpelada constantemente sobre a necessidade de “adequar-se”, de responder com os meios de hoje aos desafios que lhe chegam da sociedade em que está envolvida e que pretende evangelizar.

Mudanças na ordem política: Depois de conseguida as Independências dos países do continente,  com um passado pelo doloroso processo da guerra civil  e até alguns países continuam ate hoje e  abertura aos processos democráticos e ao multipartidário. Nem sempre estes   processos tem   sido sempre claros. São muitas as organizações internacionais e da sociedade civil (entre elas a Igreja) que unem esforços para que o processo de democratização dos países seja uma realidade em todos os aspetos da vida democrática do continente.

Mudanças na ordem sócio-económica: existe no continente um acelerado processo de urbanização. Respondendo às atuais circunstâncias e à conjuntura mundial, o continente  vive uma constante e não sempre bem organizada migração da zona rural para a zona urbana, onde muitos chegam alimentando o sonho de novas oportunidades e melhores condições de vida. Já para África estima-se que o processo de urbanização chega ao 40% e com tendência a crescer ainda mais, obedecendo à projeção mundial e às necessidades locais (L’instrumentum Laboris da segunda Assembleia do sínodo dos bispos para África, 20-21; Africae Munus, 22-26; 42-46).

Mudanças na ordem sócio-religiosa: A composição religiosa do continente está muito cambiada. Com a abertura democrática e a declaração de que o países  são  laicos e laicista,  o pais se tem visto “invadido” por uma quantidade imensa de movimentos religiosos das mais variadas denominações entre as diversas divisões internas pelas que passam as grandes religiões que partilham o solo do continente. Resulta quase que natural ver surgir mesquitas em qualquer ângulo nos nossos bairros e vilas; o mesmo acontece com as igrejas pentecostais. Basta passar os olhos pela lista de igrejas (e religiões) que ingressam aos nossos Países de ano para ano e que recebem, sem maior dificuldade, a licença de funcionamento que lhes concede o respetivo governo.

Mas neste âmbito, também temos de considerar as mudanças que vivemos ao interior da Igreja Católica. Está a acabar a era da primeira geração de bispos estrangeiros e paulatinamente a igreja do continente vai criando o seu estilo e tendo em conta o contexto onde ela esta. Ainda temos de considerar, com alegria e esperança, que na Igreja no continente  experimenta-se uma louvável mudança da que se esperam frutos para o futuro. Trata-se do incremento do clero diocesano e das vocações à vida religiosa. Isto é muito bom porque nos permite sonhar dias melhores e abrir à Igreja do continente à experiência missionária (na dinâmica da missão interna, como serviço de igrejas irmãs e da missão ad-gentes, como envio de missionários além fronteiras; uma experiência que precisa ser consolidada). 

Mudanças na ordem sócio-cultural: Assim como se verificam mudanças sócio-culturais no contexto geral da África, igualmente as descobrimos nos nossos países; por isso, podemos afirmar, que como toda África vive um choque cultural, como escrevera o papa Emérito Bento XVI (Africae Munus, 11).  As mudanças nessa ordem criam certas dificuldades no relacionamento entre as gerações e com maior acento na receção dos desafios da pós-modernidade.

Com a urbanização perdem-se (ou modificam-se substancialmente) alguns matizes particulares das culturas locais. As novas gerações, gozando da possibilidade de frequentar estudos universitários, não se sentem já de continuar com algumas das práticas ancestrais ou porque as consideram “coisas do passado” ou porque nem tiveram à possibilidade de as conhecer. Certo é que no continente tem crescido enormemente o mundo universitário e isto constitui uma esperança para os países e um desafio para a Igreja que se ve urgida de modificar a sua metodologia de ação e mesmo a organização do seu serviço pastoral.

Mudanças ao interior do IMC: Como missionários da Consolata  se olharmos ao passado descobrimos uma série de mudanças que devem chamar a nossa atenção. Mudou o modo de fazer à missão porque passamos de uma missão centrada na Igreja e do protagonismo do missionário (entregue às tarefas de construção da missão, necessária para o bom funcionamento da missão) a uma missão centrada no Reino de Deus (missio Dei) e feita em dimensão de equipa onde o missionário (pároco) é um animador, coordenador e não mais àquele que dá ordens para os ouros cumprir. Também mudou a procedência dos missionários e a economia da missão; passamos de receber os missionários do Norte (Europa) para uma gama de missionários vindos do Sul e do continente.

Sempre dentre as mudanças ao interior do IMC temos de considerar a situação económica, porque com a procedência dos missionários também mudou a economia da missão, porque superada a etapa do Padroado (quando o Estado financiava à missão e aos missionários) adentramo-nos na era da colaboração das Igrejas locais e assim os missionários contavam com o apoio financeiro das suas próprias dioceses e paróquias de origem (também dos chamados projectos) ao nosso tempo em que carecemos de pontos fixos de apoio financeiro para a tarefa evangelizadora. A Igreja ministerial  requer dos missionários a capacidade para a escuta, o diálogo, a humildade para o trabalho coordenado com os animadores locais. Na Igreja que nos corresponde viver hoje no continente precisam-se missionários em diálogo. 

O que é que nós como Missionários da Consolata poderíamos fazer no continente para implementar a Nova Evangelização?

Que por Nova Evangelização entendemos: o empenho por uma renovação na tarefa evangelizadora da Igreja (método, estilo, ardor) nas suas três dimensões: de primeiro anúncio, de pastoral ordinária e de atenção específica e especializada por aqueles que se afastaram da Igreja e das práticas da fé em Jesus Cristo.

Feito este esclarecimento, consideremos alguns aspetos a ter em conta no nosso serviço missionário no continente, que nos permitam viver em atitude de Nova Evangelização. Cientes de que não existem formulas mágicas, passamos a indicar algumas sugestões do que poderia ser uma pastoral em contexto de Nova Evangelização. 

1. Uma Igreja em saída: (na dimensão do primeiro anúncio). Na Evangelium Gaudium (20) o papa Francisco sublinha a dimensão do envio que a Igreja não pode perder. Somos convidados a sair descobrir no ambiente em que nos encontramos a servir à missão quais são as novas periferias que requerem de uma atenção especial e, no nosso caso, de uma atenção missionária. Potenciar os novos êxodo que a pastoral missionária requer; por isso, seria interessante que nas nossas paróquias e comunidades houvesse:

a. Uma disposição para não a contentarmos com os que já participam da vida da Paróquia.

b. Fazer visita as famílias, dando especial atenção e prioridade àquelas famílias que não frequentam à igreja.

c. Descobrir uma obra, projecto social, que a paróquia possa levar para frente com os recursos financeiros da própria paróquia e com a ajuda de qualquer apoio financeiro externo.

d. Promover missões populares, dirigidas a dialogar com as outras religiões e com os indiferentes.

2. Uma igreja misericordiosa (na dimensão da pastoral ordinária). É sempre o papa Francisco que nos convida a superar a simples administração e a constituirmos em estado permanente de missão (E. Gaudium, 25), que a pastoral ordinária seja mais comunicativa e aberta; promovermos uma conversão pastoral. Diante deste apelo e segundo o pedido da Nova Evangelização seria de desejar que as nossas paróquias e comunidades; promovessem:

a) A caridade: uma atenção especial e especializada aos pobres e necessitados da Paróquia; sem caridade não se evangeliza!

b) Tentar novas formas de organização pastoral, em diálogo com o Conselho pastoral da Paróquia

c) Promover a Eucaristia para os doentes, nas suas casas. Mesmo que se tiver de deixar de celebrar a Eucaristia, alguns dias da semana, na comunidade sede, ousar a missa em casa dos doentes e organizada por cada núcleo; achamos que seria uma boa experiência de saída e de ousar uma nova organização e movimento da Paróquia.

d) Organizar jornadas de retiro espiritual.

e) Dar ouvidos a quem não recebe a comunhão, seria de desejar que as nossas paróquias organizassem jornadas de escuta para receber àqueles que podendo receber a comunhão de facto não o estão a fazer. Escutar as razões pelas quais as pessoas não recebem a comunhão e logo, num processo de discernimento na comunidade local e se necessário com o Senhor Bispos tomar decisões, respondendo caso por caso, pessoa por pessoa. A pessoa deve-se sentir amada!

f) Dar atenção ao som, á iluminação e ao coro (liturgia) da paróquia e comunidades. Resulta lamentável ir a missa e não escutar nada ou encontrar uma igreja em desordem. O novo da Nova evangelização não sempre passa por novas iniciativas, mas pelo modo amável com que cuidamos das coisas que nos foram confiadas e pelo modo atencioso com que recebemos as pessoas. É necessário gastar dinheiro para que as nossas igrejas tenham boa iluminação, um bom aparelhagem de som e um coro bem equipado com vozes, e instrumentos musicais necessários e adequados às novas circunstâncias.

3. Uma mãe de coração aberto: (na dimensão da atenção aos que se afastaram da Igreja)

Tomando sempre das palavras do papa Francisco na Evangelium Gaudium (46-47) somos convidados sermos uma igreja de portas abertas, a casa aberta do Pai. A porta deve servir quer para sairmos ao encontro do outro quer para receber a quem chegar a busca da Savia para a vida. Sabermos facilitadores e não simples controladores da graça, como escreve o Papa; deste modo seria interessante que as nossas paróquias e comunidades organizassem:

a) Visitas pastorais as casas daqueles que se afastaram da Igreja, mesmo na informalidade de um convite ao almoço

b) Encontros de formação e esclarecimento para quem deixou de frequentar a vida sacramental; dando especial atenção aos separados e aos que sendo separados juntaram-se de novo

c) Abrir as portas para a celebração do sacramento do Baptismo para as crianças filhos de mães solteiras e acompanhar mais de perto a preparação dos jovens e adultos que desejam receber o Baptismo ou retomar a Eucaristia.

d) Promover uma pastoral com sentido e sensibilização ecológica.

Atitudes especiais do evangelizador da Nova evangelização

Evangelizar hoje, no contexto da Nova Evangelização, requer que o evangelizador cultive umas atitudes apostólicas e espirituais de valor inigualável; ele deve ser:

1. Um promotor do bem: o evangelizador da N. Evangelização vive e age na qualidade de colaborador de Deus no empenho por transformar o homem; sendo que este trabalho não é fácil, ele compromete a sua própria vida para valorizar e promover o bem que já existe nas pessoas e comunidades; não parte da zero e valoriza o contributo de todos e de cada pessoa em particular.

2. Magnânimo: o evangelizador hoje, como ontem, assume consciência de ter sido escolhido e chamado por Deus para coisas grandes, por isso não se perde com as coisas pequenas de cada dia, nem menos com as brigas e lamentos de quem tem pouco por fazer (ou de quem por falta de maturidade humana e espiritual) não descobre a imensidade da obra de Deus).

3. Pessoa de amor inclusivo: Enquanto chamado por Deus, o evangelizador de hoje em dia ama a todos e dedica-se a todos, sem excluir ninguém. O seu coração tem de ser grande, como grande é o coração de Jesus, para dar espaço a todos dentro de si e para se dedicar a servir a todos. Vive e trabalha com sentido eclesial, ecuménico e inter religioso.

4. Tenaz, forte e perseverante: o evangelizador de hoje não pode ser de médias águas, não. Deve saber que o processo de transformação do homem em Cristo não é coisa de horas, dias ou meses; pelo contrário, é um exercício de toda a vida e o evangelizador, enquanto animador e acompanhante dos processos de conversão da humanidade, deve resistir a todos os perigos e tentações que a obra de Deus comporta.

5. Sonhador e realista ao mesmo tempo: o evangelizador da N. Evangelização deve ser uma pessoa capaz de manter o equilíbrio entre o sonho e a realidade para não se perder de animo. Enquanto sonhador deve ser capaz de projetar, de acompanhar as comunidades cristãs para sonharem em alto e elaborar planos pastorais abrangentes, mas enquanto realista deve ter a paciência do camponês; isto é saber que deve lançar a semente, mas que o seu crescimento não depende de si. Enquanto realista  deve animar a quem tenta desfalecer no esforço e alegrar-se pelo fruto, seja ele de 30, 50 ou 100%

6. Pessoa organizada e eficiente: O evangelizador da Nova Evangelização deve agir e interagir de modo interdisciplinar (em equipa com outros) e fazê-lo sistematicamente. Sabe qual é o seu objetivo e dá tudo e o melhor de si para atingir à meta. É pessoa que sabe e dedica tempo à planificação da sua vida e da sua ação apostólica (programação-acompanhamento-avaliação).

7. Atento às oportunidades: o evangelizador da N. Evangelização transforma as dificuldades em oportunidade para evangelizar. Sabe que as dificuldades são parte da caminhada apostólica e por isso mesmo não se entrega facilmente e não permite que as dificuldades o desviem dos objetivos; elas são uma nova oportunidade para o crescimento.

8. Sobrenatural nas suas aspirações e criativo nas suas ações: o evangelizador da Nova Evangelização sabe que os critérios de vida não são como os critérios do mundo. Seu olhar e seu coração está fixo nas coisas de Deus (Col. 3. 1-11) em quem tem posta toda a sua confiança e de quem espera que suplirá os seus limites. Também sabe que o protagonista da missão é Deus e seu Espírito Santo e por isso ele comporta-se como fiel servidor e como um instrumento dócil nas mãos do Mestre. É isto mesmo que o faz uma pessoa livre e criativa, capaz de ousar novidade nas iniciativas, nos métodos e nas ações pastorais.

 

Altro in questa categoria: Cronaca del Corso IMC 25 (13) »
Devi effettuare il login per inviare commenti

Recenti

Domenica di Pasqua - Anno A

Domenica di Pasqua - Anno A

07 Apr 2020 Domenica Missionaria

La Nueva Evangelización en tiempo de coronavirus

La Nueva Evangelización en ti…

07 Apr 2020 I Nostri Missionari Dicono

Covid-19, Caritas Internationalis ai governi: “Non dimenticate i poveri, i migranti, i popoli vittime di guerre"

Covid-19, Caritas Internationa…

06 Apr 2020 Finestra sul Mondo

Organismo Episcopal Panamazónico: cauce eficaz para asumir las propuestas del Sínodo

Organismo Episcopal Panamazón…

06 Apr 2020 Finestra sul Mondo

Cristiani e buddisti possono costruire insieme una cultura di compassione e fraternità

Cristiani e buddisti possono c…

06 Apr 2020 Missione Oggi

Al Getsemani con Gesù - adorazione eucaristica

Al Getsemani con Gesù - adora…

06 Apr 2020 Preghiere Missionarie

Nelle case della gente con la mitezza di Gesù

Nelle case della gente con la …

05 Apr 2020 I Nostri Missionari Dicono

Pasqua da vivere!

Pasqua da vivere!

05 Apr 2020 I Nostri Missionari Dicono

Un Amore che resta fedele

Un Amore che resta fedele

05 Apr 2020 I Nostri Missionari Dicono

Nomina del Prefetto Apostolico di Ulaanbaatar (Mongolia)

Nomina del Prefetto Apostolico…

02 Apr 2020 I Nostri Missionari Dicono