Oct 20, 2021 Last Updated 1:03 PM, Oct 19, 2021

10 Tema - Consolaçäo: Ministério de encontro e de escuta

Categoria: Missione Oggi
Visite: 3654 volte


Tempos apressados, os nossos! O eficientismo que absorve a pessoa... A gratuidade que perfuma a vida num mundo demasiadamente voltado ao dinheiro e aos interesses pessoais... A pessoa que só conta enquanto gera lucro e oferece vantagem... Como evangelizar num semelhante contexto? Não evangelizar massas, mas pessoas. Evangelizar “esta pessoa”... É fictício e alienante “o amor que dizemos ter para com o povo”, se antes este amor não passa por “esta pessoa”, por “aquela pessoa”. O encontro e a escuta são autênticos sacramentos da iniciação; a consolação – um espaço de acolhida, como santuário silencioso e eloqüente! A escuta: uma terapia de cura do espírito e também do corpo!

Apresento aqui alguns flash, sem ordem lógica, mas que nos estimulam a refletir sobre um tema que nos diz respeito – a consolação, dado que somos como Barnabé, os filhos da Consolação, em força do carisma que nos identifica com a Consolata, a Mãe que consola. Tentarei desenvolver alguns destes flash; para tanto, parto da última afirmação, evocando uma experiência pessoal.

A escuta – uma terapia de cura

Desde que o homem caminha na terra, ansioso por encontrar sustento para a própria vida, acompanha-o também a constante preocupação do bem-estar, a preocupação da cura, a preocupação das doenças. A doença, este mistério humano, muitas vezes se apresenta como uma espécie de entrançadura indestrinçável, que atenta contra o bem-estar do homem todo, envolvendo-lhe o corpo, a psique, os sentimentos... É aqui que entra, como bálsamo de cura, o mistério da escuta: uma presença de paz que protege contra o assalto da angústia.

Como afirmei, parto de uma experiência pessoal. Encontrava-me em Buenos Aires, na Casa Regional. Já se passaram muitos anos... Durante o almoço me chamam, dizendo que “uma senhora quer falar comigo”. Peço que a senhora – uma ex-presidiária – seja acomodada no locutório. Eu permaneço de pé, porque já entendi, não é assunto que me diz respeito. A mulher, certamente, foi mal informada e me toma pelo Pe. Mateus Pozzo que, como todos sabem, tem o dom de impor as mãos e de transmitir alívio ao corpo e ao espírito. Necessito de uma carrada de paciência, temendo a cada momento que ela me falte, para convencer a senhora de que “eu não sou o Padre Mateus”. Ela, entretanto, continua a repetir sonoramente: “Sim, o senhor é o Padre Mateus, é que o senhor não quer curar-me!” Esta insistente afirmação da mulher provoca em mim um profundo silêncio de reflexão... Pus-me a pensar o que fazer: deixá-la e ir embora? Apontar-lhe a porta por onde entrara e dizer-lhe: “Senhora, esta é a porta por onde entrou?” Usar de um disfarce e enganá-la piedosamente, através de algum gesto de cura? Por fim, do meu silêncio brotou esta expressão quase soletrada: “Senhora, não sei mais o que lhe dizer; eu só tenho a minha palavra; se a senhora não acredita nela, não disponho de outros argumentos para convencê-la”.

Ela, ao ouvir isto, como se voltasse de uma longa viagem na alienação, deu-me a entender que acreditava no que eu acabara de lhe dizer e perguntou-me: “Se o senhor não pode curar-me, pode ao menos escutar-me?” “Sem dúvida – respondi comovido – isto sim!” E sentei-me. Não acrescento outros pormenores, pois já não os lembro; mas da conclusão me lembro perfeitamente: pareceu-me que aquela pobre senhora tivesse ficado inundada por uma onda de paz interior e exterior.

Tempos apressados, os nossos!

“Século curto”, assim foi definido o século passado. Podemos chamar de “tempos breves, tempos curtos” os espaços de tempo que reservamos para a escuta, para ouvir as pessoas. Uma espécie de desertificação das relações profundas acompanha o processo do pós-moderno, dos fenômenos do mundo e de tudo quanto traz o sabor de fragmentação, venda da imagem, venda malbaratada dos valores profundos. As vítimas deste processo são os fracos, os últimos. Sim, pensa-se também neles, mas em termos de “colocação”, em chave de “resolução de problemas”: agências de casas de repouso, empresas promotoras de viagens de distração e de diversão, propostas de socialização, etc. Mas “o outro” permanece longe... Percebe, com amargura, que se trabalha para ele, mas não se presta atenção a ele, porque “conta pouco, é pessoa de pouca importância”. O seu dinheiro conta... O seu voto, em tempos de eleição... Oh! isto conta! E como conta! Se é jovem, conta por um motivo de cálculo; se é velho, conta por outro motivo de cálculo. Mas não se lhe dá valor e importância pelo fato de ser um homem, uma pessoa, uma imagem de Deus.

Em alguns “Centros de Escuta” a pergunta costumeira produz o efeito de um soco na boca do estômago: “Acomode-se... Pronto, vá dizendo, qual é o seu problema?!...” Às vezes, também os padres vivem muito atarefados. Tem-se a impressão de que as pessoas, antes de formular uma pergunta, antes de fazer um pedido ao padre, esperam que murchem as pétalas da margarida que trazem no íntimo: “Desculpe, padre... Será que estou exigindo demais se lhe peço que me atenda em confissão? Padre, poderia dispor de um momento?!...”

“I Care”: gratuidade do encontro que humaniza a existência

Não faltam, em nosso tempo, belos exemplos de voluntariado. O voluntariado (gratuito) é como um pulmão de bem-estar que perfuma a existência e o cotidiano. Comove e impele à imitação pela alegria que lhe é inerente, como preço-recompensa. Contudo, também o voluntariado deve aspirar a uma qualificação melhor: ao fazer este ou aquele trabalho, deve passar da categoria do simples “prestar um serviço” a uma dimensão mais elevada, ou seja, “prestar um serviço indo ao encontro desta ou daquela pessoa”. Então deixará de ser apenas uma bela instituição humanitária e se tornará um “lugar de encontro” reciprocamente humanizante.

Certo dia, as Damas da Caridade, alarmadas, disseram a um Missionário da Consolata que trabalhava na Paróquia de Pompeya (na Argentina): “Padre, naquele bairro não há mais pobres... Então, que faremos nós agora?”
É triste admitir isto: mas os mesmos pobres que servimos, poderiam tornar-se como que pedras de jogo de dama que “nos servem”, que garantem “o retorno da gratificação”. Muitos, atualmente, se apropriaram do slogan do Padre Milani: “I Care!” A diferença, contudo, é muito grande; poderia haver até uma distância de anos-luz... Para ele, aquele não era um simples slogan, mas um programa de vida!

Não evangelizar massas, mas pessoas

A evangelização é mediação do eterno diálogo de amor que Deus sempre entrelaçou com a humanidade e que em Cristo foi revelado e recapitulado. A humanidade não pode entrar neste diálogo de salvação sendo apenas um interlocutor anônimo e massificado. Devemos poder dizer: “Esta salvação é para ti! Aqui e agora, para ti!”

Os Padres da Igreja admiravam-se desta personalizão do plano da salvação: “Por nós, homens, e para nossa salvação, desceu do céu”. João Paulo II, tomando o pensamento da Gaudium et Spes – “com a encarnação, o Filho de Deus uniu-se de certo qual modo a cada homem” (n. 22), sublinha a historicidade “deste homem”, ponto terminal e atual do amor de Deus, “primeiro e fundamental caminho da Igreja, caminho traçado pelo próprio Cristo” (cf. RH, 13-14).

“Evangelizar é a graça e a vocação própria da Igreja, sua identidade mais profunda. A Igreja existe para evangelizar” (EN 14).

Nós também existimos para evangelizar. Contudo, não nos deixemos enganar: enquanto não chegarmos ao coração do homem, “deste homem”, “desta tribo”, não atingiremos o coração das culturas, e a evangelização não passará de um amadorismo efêmero (cf. EN 20).

Algumas convicções que devem ser transformadas em atitudes de vida

Escutar o outro é parte prioritária e constitutiva do processo de evangelização-consolação, se é verdade, como afirmou o X Capítulo Geral, que a missão se origina da compaixão. A escuta verdadeira, humana, respeitosa do outro na sua alteridade nunca será uma página de missão “decorada”; antenas extremamente sensíveis captam a autenticidade da minha resposta: não posso simplesmente “recitar” ou fazer declamações”... O “outro”, encontrando-nos, sentindo-se inteiramente hospedado por nós, pela nossa acolhida, deveria deixar em nós a mesma convicção do Apóstolo Paulo, em relação aos Gálatas: Se tivésseis podido, teríeis arrancado os vossos olhos e mos teríeis dado! (Gl 4,15).

O “encontro-escuta” tem o teste da verdade: Se o “outro” desaparece sem deixar vestígio ou sinal, não foi um encontro em profundidade; se ainda permanece dentro de ti, hospedado em ti, o encontro-escuta foi realmente uma celebração de vida.

Pontos para a reflexão

1. Muitos, depois de manter um encontro com José Allamano, recordavam por longo tem-
po o fascínio do seu olhar, da sua presença consoladora. O que passou para ti deste “patrimônio paterno”?

2. A vizinhança com o povo faz parte dos códigos genéticos que geraram os Missionários da Consolata: deve tornar-se uma apaixonante realidade. Devemos manter-nos unidos ao povo, em contato com ele. É realmente isto que fazemos, nós que pertencemos a esta comunidade missionária?

3. Nosso “culto” assemelha-se ao do Bom Samaritano: sabemos ver o outro? Deixamo-nos evangelizar pela vida ferida no corpo e na dignidade do espírito do outro? Sabemos assumir o “peso” até o fim?... Há alguns anos, em determinado documento sobre a Liturgia, os Bispos haviam dito: “É preciso celebrar a Liturgia dentro das chagas da História.”

4. As atitudes não se improvisam, nem podemos tomá-las de empréstimo. Tudo terá sabor de fictício e de alienante se a atenção ao outro, a presença do outro, a escuta do outro não começar na nossa comunidade, com os coirmãos que vivem ao nosso lado. Confrontemo-nos, como num espelho, com a Palavra de Deus em Romanos 12, 9-18.

5. Toda revisão do método apostólico é verdadeira na medida em que se percebe que o Reino está atingindo “estas pessoas”. Neste caso, o encontro e a escuta se delineiam como capacidade de silêncio, de admiração, de empatia, trajetória de solidariedade, impulso de compaixão para com o outro... O limiar do templo onde começa a sacralidade do “culto mais divino” é o coração do homem.

6. No mundo há um déficit angustiante de esperança. De muitos lugares, muitas pessoas olham para o Papa João Paulo II: ele tem a capacidade de transmitir “um suplemento de alma” a este mundo.

E nós? Não somos os Missionários da Consolação? Não “devemos consolar com a mesma consolação com que somos consolados por Deus?” (cf. 2 Cor 1, 3-4).

P. Luigi Manco
_______________


Recenti

Finestre sul mondo

19 Ott 2021 Finestra sul Mondo

XXIX Domenica del Tempo Ordina…

19 Ott 2021 Domenica Missionaria

Ottobre missionario. Il mister…

18 Ott 2021 Preghiere Missionarie

Visita Canonica nella zona del Meru

Visita Canonica nella zona del…

18 Ott 2021 I Nostri Missionari Dicono

Il Vescovo Ponce de León: "La via per uscire dalla crisi è un dialogo nazionale realmente inclusivo"

Il Vescovo Ponce de León: …

18 Ott 2021 I Nostri Missionari Dicono

Mons. Giovanni Crippa nuovo vescovo di Ilheús

Mons. Giovanni Crippa nuovo ve…

18 Ott 2021 I Nostri Missionari Dicono

Indigeni migranti a Boa Vista …

18 Ott 2021 Missione Oggi

Finestre sul mondo

12 Ott 2021 Finestra sul Mondo

XXIX Domenica del Tempo Ordina…

12 Ott 2021 Domenica Missionaria

Ottobre missionario. I frutti …

11 Ott 2021 Preghiere Missionarie